Com sete anos de experiência no mercado, posso afirmar categoricamente que o vídeo viral é de todos os mais difícil de ser produzido para a Internet. Isso porque o viral é um vídeo meio sem controle, com vida própria que consegue tomar dimensões enormes em números de compartilhamento. Mas como produzir um bom viral?

Bom para começar, ao contrário do vídeo release – que pode ser produzido para qualquer tipo de produto ou empresa- o viral possui características próprias que são ditadas pelo comportamento humano. Por isso, algumas de nossas emoções precisam estar presentes nas cenas apresentadas no vídeo como o amor, a aceitação, o heroísmo. Uma pessoa comum se tornar um tipo de herói ao fazer uma boa ação, ou vencer uma grande dificuldade, traz o sentimento de grande admiração que inspira o internauta e facilita a comunicação entre empresa/cliente.

Outro grande aliado do vídeo viral é o humor. Todo mundo ama um vídeo engraçado e eles viralizam mesmo. O problema é que nem todo assunto pode virar piada, portanto a linha entre o sucesso e o fracasso pode ser muito tênue. Produzimos um vídeo viral para a Parada da Diversidade de Floripa. Nosso primeiro vídeo viral em 2011. O evento era para fortalecer a luta a favor dos direitos dos homossexuais. Conseguimos utilizar o humor, o amor e a fraternidade. O alcance foi excelente. Conseguimos espaços em portais importantes de notícias como Uol e Terra.

O roteiro de um vídeo viral precisa mirar no coração, acertar no humor e atingir o cérebro de uma maneira que ele sinta necessidade de compartilhar este sentimento bacana com outras pessoas.
Poderia citar aqui 10 maneiras de se fazer um viral, mas sinceramente não existe uma fórmula exata para todos. É preciso pensar antes, pois cada produto, cada empresa, ideia ou pessoa é única. Cada um tem a sua história. Vídeos virais parecidos não vendem, pois não conseguem marca na memoria.
Invista em profissionais treinamos para produzir vídeos virais e tenha retorno garantindo para sua marca.

Tatiana Kinoshita
Ceo
1Click Comunicação

Join the discussion Um comentário

Deixe seu comentário